Quando 'fazer cara' é gramática.

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Pinterest
  • Tumblr Social Icon
  • Instagram

segunda feira, 19 de junho 2020 - Marije Soto

      Para sinalizantes de uma língua de sinais, a expressão facial funciona de dois modos: primeiro, para expressar significado afetivo (como em línguas faladas), e segundo, para marcar estruturas gramaticais específicas (ex. oração relativa em Língua de Sinais Americanas (ASL)). Então, diferente de falantes de línguas orais, a expressão facial apresenta um componente adicional cognitivo específico. Estudos de neuroimagem mostram que, de fato, regiões no hemisfério direito de sinalizantes de ASL respondem relativamente mais a expressões faciais transmitindo significado afetivo (por exemplo, quando vêem narrativas), e que regiões no hemisfério esquerdo respondem mais quando expressões faciais codificam informações gramaticais linguísticas.

          Outro experimento, mais simples, que pode evidenciar uma dominância hemisférica é quando imagens de expressões linguísticas sinalizadas são mostradas em um campo visual específico. Visto a conexão contra-lateral dos nervos ópticos, podemos associar estímulos vistos no campo visual esquerdo com engajamento inicial do hemisfério direto, e vice versa. Assim, um estudo mostrou que expressões faciais afetivas em ASL são reconhecidas mais efetivamente quando mostradas no campo visual esquerdo, sugerindo uma maior contribuição do hemisfério direito.

6-Table3-1.png

      Estudos com sinalizantes com lesão cerebral seletivo no hemisfério direito também indicam que esses pacientes perdem capacidade de julgamento de expressividade afetiva, mas não de reconhecimento de traços linguísticos representados por movimento facial.
O fato de ouvintes também engajarem mais o hemisfério direito ao processar expressão facial afetiva mostra que em ambos, ouvintes e sinalizantes, o processamento de linguagem, embora em modalidades distintas, é distribuído da mesma forma: contexto e pragmática recrutam mais o hemisfério direito, enquanto traços gramaticais, no sentido estrito, apresentam engajamento maior do hemisfério esquerdo.